Loading...

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Educação: o desastre de SP

Analisam-se os números da educação de São Paulo, comparando-os no contexto nacional e no mundo, aplicando esses dados no projeto de reorganização da rede proposto pela Secretaria Estadual de Educação na realidade da divisão de verbas impostas pela Constituição Federal.
Resultado de imagem para caos na educação brasileira
O governo tucano do Estado de São Paulo anunciou em 2015 o programa denominado de “reorganização escolar”. Até então estaria tudo bem, pois é público e notório que as escolas do Estado necessitam ser reorganizadas mesmo, principalmente com a melhoria do ensino oferecido aos alunos e às condições salariais dos profissionais que lá atuam.
Para ilustrar essa análise, vamos a alguns dados interessantes sobre a educação no Estado de São Paulo, frisando, desde já, que estamos tratando do maior Estado do país, o mais rico, que concentra um PIB de R$ 1,349 trilhões, enquanto o segundo colocado, o Estado do Rio de Janeiro, tem apenas R$ 462 bilhões. Observem a distância nos números da economia.
Na educação, nem de longe os números refletem a diferença do PIB, nem em qualidade, nem em salários pagos aos profissionais. Segundo pesquisa na internet, o Estado de São Paulo tem um piso salarial para os seus professores de R$ 1.894,12, e, comparando com o Distrito Federal, o maior Estado perde feio, pois o Distrito Federal, um pequeno Estado (tem o 7º lugar no PIB), paga aos seus profissionais R$ 2.260,08.
A qualidade da educação também deixa muito a desejar, merecendo ser reorganizada mesmo, com seriedade e força, mas sem desorganizar, sem causar pânico, de forma transparente e lúcida. O PISA, que é um dos mais importantes testes internacionais da educação, dá ao Estado de São Paulo, 404 pontos em matemática. Comparando com o Estado de Shangai, na China, o número chega a ser vergonhoso. O Estado chinês, muito mais populoso, com certeza, faz 613 pontos em matemática. No Brasil, no ranking do PISA, o maior Estado brasileiro fica em 7º lugar, atrás de Estados pobres, como é o caso do Espírito Santo, que ficou em primeiro, Rio Grande do Norte e Mato Grosso. Note-se que o Estado de Alagoas, último no PISA do Brasil, fez 342 pontos, ou seja, não muito longe dos 404 dos paulistas.
O IDEB de São Paulo é bom, se analisado perante os demais Estados brasileiros, porém, os números divulgados em 2014, referentes a 2013, marcam para São Paulo 4,1 pontos, que são idênticos aos números do ano de 2011. Significando dizer que, ao contrário do previsto e imaginário, de 2011 a 2013 a educação de São Paulo não evoluiu.
Postas as questões iniciais, vamos ao que o governo chama de reorganização. Pasmem os senhores mais desavisados. Para o governo de São Paulo, o Estado que tem o maior PIB, aquele de R$ 1,349 trilhões, reorganizar é fechar escolas. Isso mesmo. Vão fechar inúmeras escolas, tirar alunos de seus bairros e deslocar para outros, causar transtornos de todos os gostos para pais, alunos, professores, outros profissionais e para as comunidades.
O governo do Rio de Janeiro, nos últimos mandatos, visando combater o tráfico de drogas, ocupou comunidades com serviços públicos, trouxe o Estado para comunidades onde antes ele não existia, não era visto. O Estado de São Paulo está deixando inúmeras comunidades, onde a presença do Poder Público não será mais notada. E chama isso de reorganização.
O Estado quer obrigar alunos de uma comunidade, alunos pequenos, de 6 a 10 anos, a deslocarem-se para outros bairros, criando hiatos onde antes havia escolas públicas, onde havia a presença da educação. Vai distanciar o aluno da escola.
Isso porque os gestores da educação de São Paulo sabem que um em cada quatro alunos que inicia o ensino fundamental no Brasil abandona a escola antes de completar a última série. É o que indica o Relatório de Desenvolvimento 2012, divulgado pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento).
O Brasil tem a terceira maior taxa de abandono escolar entre os 100 países com maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), só atrás da Bósnia Herzegovina (26,8%) e das ilhas de São Cristovam e Névis, no Caribe (26,5%). Os números brasileiros chegam a ser impressionantes, 24,3%. E o secretário de Educação chama de reorganização do ensino o fechamento de escolas.
Pior é a justificativa que os gestores estaduais usam para o tal projeto de reorganização: a “tendência” de queda de 1,3%/ano da população escolar. E afirma mais que entre 1998 e 2015 as escolas públicas de São Paulo teriam perdido 2 milhões de alunos. Aí ficam algumas questões: o Estado ao divulgar esses números, para um público que não pode questionar, esconde que parte desses alunos foram para a rede pública municipal, no processo chamado de municipalização do ensino, outro desastre. Esconde que ocorreu a evasão escolar, por falta de qualidade no ensino e esconde que um projeto muito semelhante foi implantado na década de 1990, sob as mesmas e exatas justificativas.
Segundo a professora Sônia Kruppa, em artigo publicado no jornal Folha de São Paulo do último dia 17, o projeto de 1995 “gerou uma maior responsabilização dos municípios por esse atendimento, uma progressiva privatização dos níveis posteriores (ensino médio e superior) e um caráter comunitário e assistencialista para a educação infantil – contrariando a ampliação da cidadania e do dever do Estado, determinados pela Constituição, então submetida à modificação pela Proposta de Emenda Constitucional nº 233/1995, apresentado ao Congresso Nacional”.
Acrescenta ainda que “as medidas de 1995 não melhoraram a qualidade da escola paulista. Pelo contrário, destruíram a única rede pública brasileira que tinha alcançado a condição de universalizar o ensino fundamental num único prédio, ampliando o diálogo entre os professores na passagem dos anos iniciais para os anos finais do ensino fundamental e médio”.
Duro é ouvir a presidente do sindicato dos professores afirmar que não existe transparência no projeto de reorganização, que a classe não participou das discussões que levaram a esse modelo e que a qualidade do ensino tende apenas a piorar.
É importante lembrar que medidas como essas devem ser fruto de longo planejamento, de preparação dos profissionais que estarão envolvidos, de publicidade dos atos e do projeto e, principalmente, de bases científicas sólidas para justificar o fechamento de escolas. O Brasil ainda é um país jovem, o interior de São Paulo está em franco crescimento e a única certeza de tudo isso é que um dia, as futuras gerações de gestores, chegarão à conclusão de que o fechamento de escolas não gerou resultados positivos e que as populações perderam em qualidade de atendimento no serviço público educacional.
E, quando chegarem a esta conclusão, infelizmente, será tarde demais, a evasão terá aumentado e muitas crianças terão perdido a oportunidade de ter estudado na época própria.
Minha saudosa tia Leda lecionou em escola multisseriada por mais de 40 anos. Com o fim das séries diferentes na mesma sala de aula, a escola que tinha 80 alunos e uma única professora, deveria ter recebido outras 6 educadoras. A distância de 35 quilômetros até a cidade mais próxima desanimou as concursadas e nenhuma delas topou a parada de percorrer estradas esburacadas, na época seca, e enlameadas, no verão (naquela época chovia no verão!); a unidade escolar foi fechada. Desses 80 alunos, pasmem os senhores, só 3 toparam estudar no distrito, que ficava fora da velha Fazenda Santa Margarida, no interior do Rio de Janeiro.
O Brasil, em 2013, ainda tinha 45 mil escolas multisseriadas, no interior e em áreas urbanas. E até hoje há quem defenda o modelo educacional que foi abolido e, na década de 80, tirou de 77 alunos da Escola Estadual João Gouveia Souto a oportunidade de se tornarem seres melhores, educados.
E assim vai a educação brasileira, de mal a pior, enquanto as potências mundiais investem em abrir frentes de educação, mesmo que para atender poucos, nós vivemos a realidade inversa, fechando unidades por todos os recantos, sob a justificativa de que a economia de recursos é necessária.
Quero ver economizarem em publicidade dos governos, em mordomias nas viagens e deslocamentos das autoridades e em outras atividades, em que realmente é necessário apertar o cinto. A economia, governador Alckmin, deve começar no próprio palácio, cortando servidores nomeados em cargos em comissão, ganhando, muitas vezes, sem receber, prestando serviços de baixa qualidade para a população.
Mas o blefe final não é esse. Os valores calculados do FUNDEB per capita considera as salas pequenas que o governo paulista justifica para fechar unidades de sua rede, o grande número de professores e até a localização das escolas, tudo na forma do artigo 211 da Constituição Federal. Isso significa dizer que o Estado de São Paulo, esse que quer economizar, recebe repasses do FUNDEB que consideram os problemas que eles alegam para economizar e fechar escolar. Uma leitura atenta dos manuais do FUNDEB impediria que alegações lançadas ao vento, sem nenhuma responsabilidade, fossem capazes de justificar as mazelas pretendidas.
Com a palavra, o Ministério Público do Estado de São Paulo e as autoridades federais. E lancemos mão dos ensinamentos e das palavras do saudoso professor Darcy Ribeiro, que disse que “só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca.”.

Autor

Nenhum comentário:

Postar um comentário