Loading...

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Papagaios: Doenças e tratamento

Como saber se meu papagaio está doente

 Como saber se meu papagaio está doente
Apesar dos papagaios serem animais bastante resistentes que se adaptam muito bem ao clima da América do Sul, podem sofrer diversas doenças.
Muitas vezes, assim como acontece com a maioria dos pássaros, é muito difícil para o dono do papagaio detectar os sintomas que indicam que a ave está sofrendo alguma doença. Por isso, em umComo.com.br explicamos a você como saber se seu papagaio está doente.

Instruções
  1. Aspecto geral. Um papagaio saudável não deve ter as penas arrepiadas nem esconder constantemente a cabeça debaixo da asa. Estas duas posturas podem ser provocadas pela hipotermia ou por alguma doença infecciosa.
    Por outro lado, se ele balança o rabo exageradamente quando respira quer dizer que a ave está fazendo um esforço importante para respirar e pode ser um sintoma de várias doenças respiratórias.
  2. A cloaca é o orifício por onde o papagaio elimina as fezes e a urina (além do sêmen nos machos e ovos nas fêmeas). As penas que estão ao redor devem estar secas e sem restos de excrementos, caso contrário, o papagaio poderá estar sofrendo de diarreia.
  3. As fezes dos papagaios saudáveis são consistentes e sólidas. Fezes líquidas costumam indicar diarreia.
    Umas fezes de consistência normal mas acompanhadas de muita água podem indicar poliúria, isto é, aumento na secreção de urina, que poderia estar relacionada com insuficiência renal.
  4. Aconselha-se verificar o bico e as patas para detectar a presença de crostas, normalmente provocadas por parasitas.
    Ao examinar as patas preste atenção às articulações, pois um engrossamento nelas pode estar sendo provocado pela doença da gota.
    Ao inspecionar o bico, você também deve prestar atenção especial àsnarinas (as aberturas por onde o papagaio respira), para descobrir possíveis restos de mucosidade que podem ser sinal de problemas respiratórios. Ao fazê-lo, não convém se centrar só nas narinas mas também nas penas ao redor, pois às vezes as narinas parecem limpas mas nas penas próximas podemos encontrar muco.
  5. Uma queda excessiva das penas pode ser provocada por avitaminose(falta de vitaminas) por isso sua alimentação deve ser revisada. A falta de pelo em apenas algumas áreas determinadas pode estar causada porfungos ou por ácaros.
  6. Um dos primeiros sintomas de qualquer doença é a falta de apetite, portanto você pode observar uma diminuição da quantidade de comida que o papagaio ingere.
  7. Se tiver observado algum destes sintomas, recomendamos que vá a umveterinário, se possível, um especialista em animais exóticos.
  8. Este artigo é meramente informativo, em umComo.com.br não temos a capacidade para receitar nenhum tratamento veterinário nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamo-lo a levar o seu animal de estimação ao veterinário no caso de ele apresentar qualquer tipo de condição o mal-estar.
  9. Problemas Veterinários
    Sintomas de Doenças
    Para ajudar o proprietário no reconhecimento de sinais clínicos (sintomas) e possíveis doenças, elaboramos a tabela abaixo, modificada do livro Exotic Companion Medicine Handbook - For Veterinarians, de Cathy Johnson-Delaney, 1996, que serve não só para papagaios, mas para psitacídeos em geral.
    Aves doentes devem ser encaminhadas a um veterinário, preferencialmente um veterinário especializado em aves. O tratamento por conta acaba não tendo efeito algum, pondo em risco a vida do animal e até mesmo as pessoas, se for uma zoonose (doença transmissível dos animais ao homem e vice-versa). O pronto-atendimento é também importante. A demora acaba agravando a condição física da ave doente e reduzindo as chances de cura. Se por razões financeiras o proprietário tiver receio de procurar uma clínica veterinária, recomendo que entre em contato com veterinários e veja o que é possível fazer para que a ave de estimação não fique sem atendimento profissional. Qualquer procedimento clínico será feito apenas com sua aprovação e após você saber o custo.
    Sintomas
    O que pode ser
    Tratamento
    Auto-mutilação.Distúrbio comportamental/ psicológico, dermatite infecciosa, bouba aviária (poxvirus), indicação de dor ou irritação na pele.Antibióticos, analgésicos. Modificação do comportamento.
    Bico – anormalidade noTraumatismo, ácaros de bico e perna, doenças viróticas, doença do fígado e pâncreas, desnutrição, infecção bacteriana ou por levedura (Cândida sp), tumores.Tratamento conforme o diagnóstico. A doença do bico e pena (virótica – rara no Brasil) é contagiosa para aves.
    CegueiraTraumas na face e cabeça, conjuntivite e ceratite infecciosa, deficiência de vitaminas (vit A, vit E), diabetes, tumores, opacidade de córnea.Antibiótico, corticóide, suplementação de nutrientes, cirurgia.
    Cera (região ao redor das narinas) aumentadaRinite crônica (infecção), corpo estranho, traumatismo, alergia, fumaças de cigarro e outras, desnutrição, sarna das aves, bouba aviária (poxvirus), normal em fêmeas de periquito-australiano.Tratamento conforme a etiologia.
    Claudicação (= manqueira)Gota úrica, fratura, luxação, artrite, tumor, tuberculose aviária, doença sistêmica (no corpo todo), neurite.Tratamento conforme a etiologia.
    ComaChoque, traumatismo craniano, doença sistêmica (no corpo todo), intoxicação, perda de sangue.Tratamento de suporte. Tratamento conforme a etiologia (causa da doença).
    ConstipaçãoIngestão de corpo estranho, obstrução intestinal, torção intestinal, anorexia (perda do apetite), impactação das fezes na cloaca, irritação da cloaca, papiloma na cloaca, tumores, prolapso de cloaca após postura, parasitas intestinais, peritonite.Tratamento conforme a etiologia. Remoção cirúrgica de corpo estranho, enema para remoção de fezes impactadas, remoção de papilomas, desverminação, antibióticos.
    ContraçõesProblemas obstétricos (ovo retido, distocia, peritonite).Fornecimento de calor, fluidos, hormônios, minerais (cálcio),  auxílio manual, cirurgia.
    Convulsão (ataque) – ver sintomas nervosos
    DiarréiaMudança na alimentação, gastroenterites (bactéria, fungo, vírus, chlamydia), parasitas, obstrução gastrointestinal, hepatite, desnutrição, pancreatite, toxinas, tratamento com antibióticos, incapacidade de fazer a postura de ovos, impactação das fezes.Tratamento conforme a etiologia (bactéria, fungo, parasita, chlamydia); tratamento de suporte, fluidoterapia.
    Dificuldade em respirar (ver dispnéia aguda)
    Dispnéia aguda (dificuldade em respirar)Aspergilose, doença respiratória infecciosa, inalação de corpo estranho, sangramento interno, alergia, inalação de toxinas, narinas obstruídas, anemia, sarcocistose, infecções diversas.Tratamento de suporte, antibioticoterapia, nebulização, oxigenioterapia, tratamento específico conforme a etiologia, traqueostomia ou outros procedimentos de emergência.
    Dispnéia crônicaDoença infecciosa, doença hepática, doença renal, ascite (barriga d’água), doença cardíaca, tumor, aerosaculite (infecção nos sacos aéreos), desnutrição, sarcocistose, traqueíte, Doença-de-Pacheco, peritonite por rompimento de ovo, anemia, obesidade, aumento das tireóides, bócio, tumores.Tratamento conforme a etiologia. Drenagem de líquido ascítico (ascite), antibióticos, nebulização, oxigenioterapia, tratamento de suporte.
    EmagrecimentoDoença infecciosa, parasitária, tumor, ingestão de corpo estranho, doença renal, depressão,Tratamento conforme o diagnóstico. Tratamento de suporte, cirurgia.
    Emagrecimento crônicoTuberculose aviária ou outra doença infecciosa crônica.Eutanásia se for tuberculose aviária.
    Estase do papo (estagnação do alimento no papo)Queimadura, ruptura ou laceração do papo nos filhotes, infecção no papo, parasitas, condições ambientais inadequadas na incubadora (filhotes), corpo estranho, compactação do alimento no papo, doença da dilatação proventricular.Tratamento conforme a etiologia. Correção do manejo na criação do filhote (temperatura incorreta, por exemplo); tratamento cirúrgico; fluidoterapia e tratamento de suporte; alimentação forçada se for necessário.
    Fezes com sementes não digeridasInflamação, infecção ou disfunção gastrointestinal, pancreatite ou deficiência pancreática, doença do fígado, parasitas intestinais, desidratação, alergia alimentar, impactação com pedras.Tratamento conforme etiologia. Antibióticos, fluidoterapia, enzimas pancreáticas (se deficiência pancreática), alteração da dieta.
    FraquezaDesnutrição, doença cardíaca, tumores, doença sistêmica (geral no organismo), doença infecciosa ou parasitária.Tratamento conforme o diagnóstico. Antibióticos, antiparasitários, tratamento de suporte. Corrigir a dieta.
    Inchaço da pele ou sob a peleLipoma, obesidade, hipotireoidismo, cisto folicular, traumatismo (mordida), tumor, hematoma (sangue acumulado), enfisema subcutâneo (ar acumulado).Tratamento conforme a etiologia. Tratamento de suporte, correção da dieta, cirurgia.
    Inchaço das juntasInfecção bacteriana, gota úrica, fratura, luxação.Tratamento conforme a etiologia. Antibiótico, analgésico, imobilização externa, correção cirúrgica.
    Inchaço do abdômenTumor, doença do coração, ascite (barriga d’água), distúrbio gastrointestinal, aumento de algum órgão (fígado ou outro), virose (poliomavirus), distocia (dificuldade em botar ovo), retenção de ovo.Tratamento de suporte, drenagem ascítica, vacinação (poliomavirus), tratamento conforme a etiologia.
    Lesões na bocaCandidíase, desnutrição, queimadura, sinusite.Reposição de nutrientes (vitamina A e outras), dieta balanceada, antifúngicos, antibioticoterapia, tratamento de suporte.
    Má condição física geralGiardíase, clamidiose, tumor, deficiência nutricional, candidíase.Antibiótico, antifúngico, antiparasitário, conforme o agente etiológico. Tratamento de suporte, fluídos, vitaminas, dieta balanceada.
    Manqueira (ver claudicação)
    Morte súbitaDoenças nutricionais (obesidade), doença cardíaca, doenças virais, parasitas, intoxicação, inalação de gás tóxico de teflon, doença sistêmica.Sobreviventes – considerar doença infecciosa se houver outras aves.
    Paralisia (unilateral ou bilateral)Traumatismo, desnutrição, fratura, tumor, intoxicação, luxação.Tratamento conforme a etiologia. Tratamento de suporte.
    Peito-seco (ver emagrecimento)
    Penas - arrancamentoDesnutrição, causas psicológicas, frustração reprodutiva, parasitas, problemas endócrinos, doenças sistêmicas (ver arrancamento de penas).Tratamento conforme o diagnóstico. Dieta balanceada. Enriquecimento ambiental. Remover o fator psicológico ou ambiental que está predispondo a ave. Tranqüilizantes, hormônios. Colar elisabetano.
    Penas - Má formaçãoInfecção por vírus (poliomavirus e Doença-do-bico-e-pena)Vacinação. Proteger outras aves, pois é contagioso.
    Perda de apetite (inapetência e anorexia)Doenças infecciosas diversas por bactérias, fungos, vírus, chlamydia, parasitas; doença no fígado, abcesso na boca, traumatismo na boca/ bico, cegueira, corpo estranho preso na boca, causas psicológicas, dificuldade em chegar na comida, ovo retido no útero. Tratamento conforme o diagnóstico. Reduzir o estresse, corrigir a dieta e o manejo.
    PoliúriaNeoplasia, estresse, alergia a alimentos, doença renal, intoxicação (chumbo), gota úrica, doença sistêmica (bactéria, fungo, vírus).Tratamento conforme a etiologia. Tratamento de suporte, fluidoterapia.
    Poliúria (urina abundante) e polidpsia (sede intensa)Alimentos com muito líquido. Excitação ou nervosismo, polidpsia psicogênica (de origem psicológica), medicamentos (corticóides, diuréticos, progesterona), diabete insípida, diabete melitus, intoxicação (p.ex. gentamicina), doença hepática, doença renal, desnutrição, excesso de proteína da dieta, consumo excessivo de fruta, fome.Tratamento conforme a etiologia. Tratamento de suporte.
    Problemas de peleSarna das aves (face e pernas), herpesvirus, bouba aviária (poxvirus), dermatite bacteriana, traumatismo.Tratamento conforme a etiologia (antibiótico, antiparasitário, antiviral) Colar elisabetano. Controle de mosquitos e outros insetos sugadores (no caso de bouba aviária), cirurgia.
    Regurgitação (vômito)Neoplasia (tumor), infecção bacteriana, corpo estranho, candidíase, pancreatite, doença da dilatação proventricular, origem comportamental (corte reprodutiva).Tratamento de suporte, fluidoterapia, antimicrobiano, cirurgia (se houver ingestão de corpo estranho), modificações no ambiente (se for de origem comportamental).
    Saliência na cloacaPapilomas, prolapso de cloacaHemostasia (controle da hemorragia), tratamento de suporte, enema, tratamento cirúrgico. Se prolapso, suturas ou cirurgia.
    SangramentoDesnutrição (deficiência de vitamina K), traumatismo, coagulopatia (alteração na coagulação), doença hepática, doenças infecciosas por vírus (poliomavirus, Doença-de-pacheco).Tratamento conforme o diagnóstico. Suplemento vitamínico-mineral. As doenças por vírus são contagiosas para outras aves.
    Sangue na urinaIntoxicação por chumboQuelantes. Modificar a dieta. Tratamento de suporte.
    Sangue nas fezesSangramento intestinal, intoxicação por chumbo, coagulopatias (alteração na coagulação do sangue), problemas no fígado, deficiência de vitamina K, doenças por vírus, papilomas na cloaca (tumor), ingestão de corpo estranho, úlcera, parasitas, impossibilidade de pôr ovos, aflatoxinas (toxinas de fungos no alimento).Tratamento conforme o diagnóstico. Tratamento de suporte (soroterapia, etc).
    Sentada no chão, asas caídas, letargia e penas arrepiadas.Doença infecciosa bacteriana ou viral, clamidiose, micoplasmose, parasitas, desnutrição, desidratação, problemas reprodutivos.Antimicrobianos, antiparasitários, tratamento de suporte (fluidoterapia, vitaminas, etc.), alimentação enteral.
    Sintomas nervososOrigem metabólico-nutricional (estresse pelo calor, hipocalcemia, hipoglicemia), intoxicação (metais pesados, inseticidas, gás de teflon), infecções, traumatismo, neoplasia (tumor), epilepsia, peritonite relacionada a postura de ovos, fase terminal.Controlar as convulsões. Tratamento sintomático. Tratamento conforme a etiologia.
    Sintomas respiratóriosInfecção respiratória bacteriana, clamidiose, micoplasmose, infecção viral (bouba aviária), parasitas no sistema respiratório, doença cardíaca.Tratamento de suporte. Antimicrobianos, antibióticos, vacinação, isolamento.
    Sintomas respiratórios (em neonatos)Pneumonia por inalação de alimento, corpo estranho aspirado, clamidiose, infecção micótica, infecção viral.Tratamento conforme a etiologia. Antibioticoterapia, tratamento de suporte.
    SinusiteMicoplasmose, infecção por bactéria, fungo ou vírus, clamidiose, desnutrição, corpo estranho, papiloma, atresia de coana.Antibióticos, tratamento de suporte, lavagem e drenagem dos seios nasais; remoção cirúrgica de massas purulenta dos seios nasais.
    Taquipnéia (respiração acelerada)Estresse ao calor.Esfriar a ave, oxigenioterapia, fluidos, tratamento de suporte.
    Tosse agudaInalação de corpo estranho, trauma, infecção respiratória superior, abcesso ou tumor nos pulmões ou cavidade interna, ácaros de sacos aéreos, traqueíte infecciosa, doenças por vírus, hemorragia interna, granulomas na traquéia (aspergilose), gases tóxicos de teflon, imitando a tosse humana.Tratamento conforme a etiologia. Tratamento de suporte, oxigenioterapia, antibióticos,  nebulização.
    Tosse crônicaInfecção respiratória por bactéria, fungo, vírus, Chlamydia; tuberculose aviária, ascite (barriga d’água), abcesso ou granuloma (aspergilose), desnutrição, ácaros de sacos aéreos, fumaça de cigarro, outras fumaças, traqueíte dos papagaios (vírus), imitando a tosse de pessoas.Tratamento conforme o diagnóstico. Tratamento de suporte. Nebulização, antibioticoterapia, melhorar a ventilação no ambiente, fornecer alimento balanceado.
    TraumatismoAgressão por outra ave, agressão por animais domésticos, choque contra parede, tela ou vidro.Hemostasia (controle da hemorragia), tratamento de suporte, antibiótico, antiinflamatórios, sutura, talas, cirurgia.

DOENÇAS QUE OS PAPAGAIOS POSSAM TER

Pneumonia
Os sintomas são falta de vivacidade, respiração difícil, o bico pode ficar com uma cor violácea. o pássaro coloca a cabeça para trás abaixo das asas: a cauda acompanha o ritmo respiratório, febre, asas caídas e penas soltas. O tratamento deve ser realizado sob orientação veterinária.
Fracturas
Não é raro aparecer pássaros com os membros quebrados. Os casos mais comuns, são os das pernas e das asas, especialmente quando são retiradas penas quebradas. Após dezoito dias retirar a bandagem. O tratamento deve ser realizado sob orientação veterinária .
Estafilococose
É causado por uma bactéria que se encontra espalhada pelo ar, água, paredes, etc , provocando uma enfermidade, sendo o mais comum o ataque aos pés e articulações. As lesões aparecem nas plantas dos pés, como pequenos abcessos que dificultam o pouso; em seguida atingem os dedos que se necrosam. Essas ulcerações quando espremidas, segregam um líquido purulento. A falta de higiene tanto do criadouro, como dos poleiros são os responsáveis. O tratamento deve ser orientado por um veterinário.
Causas: a conjuntivite, algumas vezes, é adquirida por contágio, outras decorrem do traumatismo causado por pancadas na própria gaiola ou ainda esfregando, roçando, friccionando os olhos em qualquer parte da gaiola ou mesmo em poleiros sujos. O tratamento deve ser realizado sob orientação veterinária.

Piolhos das penas e do corpo
O pássaro tem comichão constantemente e observando as penas da asa aberta contra a luz, podemos notar o dano causado nas penas, como pequenos traços escuros. O tratamento deve ser realizado sob orientação veterinária.
Coccidiose 
Vinte dias antes do acasalamento devemos aplicar um anti-coccidiostático. Peça orientação a um veterinário. Podemos também, utilizar como forma preventiva, maizena nas sementes. O tratamento deve ser realizado sob orientação veterinária.
Vermífugos
Deve ser recomendado por um veterinário.
Ácaros respiratórios e piolhos vermelhos
Ocorre o acesso asmático repentino, porém mais frequente à noite e à tardinha, ou depois de se alimentar, respiração penosa, sibilante com assobio, acesso de tosse com expectoração contendo muitos ácaros, plumagem em desalinha, abertura do bico com os movimentos respiratórios Após os ataques, os pássaros voltam ao estado normal. Tratamento: isolar o pássaro doente e levá-lo ao veterinário. O tratamento deve ser realizado sob orientação veterinária.
Asma
Sintomas: os enfermos exalam uns sons semelhantes a pequenos gritos, especialmente ao anoitecer e na parte da manhã. A respiração, via de regra, é forçada, arquejante. As causas são alimentação imprópria, predispondo à obesidade, gaiolas muito sujas, ambiente mal ventilado e banhos em dias muito frios. Pode ocorrer a queda do poleiro, morte por asfixia. Nos casos muito graves, imobilidade, olhos entreabertos, penas soltas, respiração acelerada intermitente com emissão de pequenos gemidos. Devemos eliminar as principais causas prejudiciais, frio, vento, poeira, humidade, etc. O tratamento deve ser realizado sob orientação veterinária.
Doença dos olhos
Manifesta-se pelo lacrimejamento dos olhos, irritação das pálpebras, olhos intumescidos, deixando de procurar a comida a cuidadosamente, como antes fazia. O tratamento deve ser realizado sob orientação veterinária.
Bronquite - Traqueite
Os sintomas são: narinas obstruídas, bico aberto a ave para de cantar, fica agitada, com tosse seca e rouquidão, catarro, plumas soltas, respiração com o bico aberto e muito difícil. O tratamento deve ser realizado sob orientação veterinária.
Coriza
É um dos problemas mais comuns dos pássaros, aparecendo com frequência nos criadouros. Onde temos a falta de vivacidade, anemia, corrimento das narinas e também dos olhos. O catarro torna as penas em torno das narinas, com tosse, respiração difícil Dispneia e Mucosa congestionada. O tratamento deve ser realizado sob orientação veterinária.
Doença crónica respiratória















































Semelhante à coriza. CUIDADO: deve-se levar a ave o mais rápido possível ao veterinário. Este decidirá se o melhor é realizar o tratamento ou, caso a doença esteja avançada, sacrificá-la. O tratamento deve ser realizado sob orientação veterinária.



Continuar lendo: http://animais.umcomo.com.br/articulo/como-saber-se-meu-papagaio-esta-doente-8349.html#ixzz3tok4e6h0

Um comentário:

  1. gostaria de saber se no distrito federal tem alguma clínica para tratamento de papagaio com automutilação. Se possível informar endereço para: saci.marcelino@hotmail.com

    ResponderExcluir