Loading...

segunda-feira, 27 de abril de 2015

TUDO SOBRE ÁCIDO URICO

Ácido Úrico


publicidade
O ácido úrico é uma substância formada naturalmente pelo organismo. Mas, quando se encontra elevado, ele pode gerar sintomas como inflamação e dor nas articulações, especialmente dos membros inferiores.
O ácido úrico elevado no sangue pode gerar uma doença chamada gota e, em alguns casos, pode gerar ainda o cálculo renal. Para evitar que chegue a este ponto, recomenda-se seguir uma dieta equilibrada, pobre em alimentos ricos em purinas, como as carnes. Além disso, o tratamento deve ser feito com doses de medicamentos.

Sintomas do ácido úrico elevado

Os sintomas do ácido úrico elevado são o surgimento de cristais de cálcio dentro das articulações, provocando dor e inflamação local.
Geralmente as articulações mais afetadas pelo acúmulo de ácido úrico são as mãos, pés, tornozelos e joelhos. O aumento da concentração de ácido úrico no sangue pode gerar ainda a formação de pedras nos rins.
O ácido úrico elevado pode ser diagnosticado através de um simples exame de sangue.

Dieta para ácido úrico elevado

A dieta para ácido úrico elevado consiste em evitar o consumo de alimentos ricos em purina, como as carnes vermelhas, frutos do mar e miúdos. Deve-se beber bastante água e preferir alimentos naturais ao invés dos industrializados e evitar as bebidas alcoólicas.

Tratamento para ácido úrico elevado

O tratamento para ácido úrico elevado é seguir a dieta acima citada e o uso de medicamentos receitados pelo médico. Chás e até mesmo o remédio caseiro para ácido úrico podem ajudar no tratamento, mas não isentam a necessidade dos medicamentos prescritos pelo médico.

Causas do ácido úrico elevado

Algumas das possíveis causas do ácido úrico elevado são:
  • obesidade;
  • diabetes;
  • ingestão de álcool;
  • psoríase;
  • sarcoidose e
  • hipertensão arterial.
Valores reduzidos de ácido úrico podem indicar Doença de Wilson; câncer; ou o uso de fármacos antigotosos, como o alopurinol ou a probenecida.

Remédio para ácido úrico elevado

Um dos remédios mais receitados no Brasil para o tratamento do ácido úrico elevado é o Alopurinol. Embora alguns indivíduos necessitem ainda do Probenecida e da Sulfinpirazona, que vão ajudar a eliminar o excesso de ácido úrico pela urina.
Durante a crise utilizam-se anti-inflamatórios não hormonais, como Indometacina e Ibuprofeno.

Exame de ácido úrico

O exame para analisar o ácido úrico pode ser feito no sangue e na urina. Os valores normais devem ser os descritos a seguir:

Valores de referência de ácido úrico para o sangue:

  • Mulheres: 2,4 - 6,0 mg/dL
  • Homens: 3,4 - 7,0 mg/dL

Valores de referência de ácido úrico para a urina:

  • 0,24 - 0,75 g/dia.
Valores elevados podem indicar condições patológicas instaladas como: gota; insuficiência renal; anorexia; leucemias; doença infecciosa aguda; eclampsia grave;  choque; cetose diabética; intoxicação por chumbo; acidose metabólica; stress, alcoolismo; exercício vigoroso; policitemia; psoríase.

Dieta para ácido úrico

publicidade
A dieta para ácido úrico deve ser pobre em carnes. Na dieta para ácido úrico alto é importante ingerir cerca de 3 litros de água por dia para auxiliar a excreção de ácido úrico e para minimizar a possibilidade da formação de cálculos renais.
As carnes e os alimentos ricos em proteína devem ser evitados porque contêm purinas, substância responsável por aumentar os níveis de ácido úrico no sangue, que se acumulam nas articulações e nos tecidos provocando dor.
Os alimentos que devem ser evitados na dieta para ácido úrico são:
  • Molhos, caldos de carne, canja, extracto de carne,
  • Carne, vísceras, frango e outras carnes de animais jovens (cabrito, leitão, vitela),
  • Mariscos, anchovas, sardinhas e outros peixes gordos,
  • Espargos, feijão, couve-flor, lentilhas e cogumelos,
  • Bebidas alcoólicas especialmente cerveja.
A dieta para reduzir o ácido úrico do sangue deve conter alimentos com efeito alcalinizante por isso é importante consumir produtos pobres em gordura e pobres em açúcares.
Qualquer dieta específica para reduzir o ácido úrico deve ser estipulada e acompanhada por um profissional qualificado como o nutricionista.

Remédio caseiro para ácido úrico


publicidade
Um excelente remédio caseiro para o ácido úrico é o suco combinado de beterraba, cenoura, pepino e agrião ou limão.
Os ingredientes destes suco possuem propriedades que ajudam a eliminar o excesso de ácido úrico do organismo, podendo ser um ótimo complemento terapêutico para gota e artrite.

Ingredientes

  • 80 g de beterraba
  • 80 g de cenoura
  • 80 g de pepino
  • 20 g de agrião

Modo de preparo

Passe cada um dos ingredientes pela centrífuga e beba o suco logo a seguir, para que não perca suas propriedades medicinais. Tome diariamente esse concentrado de nutrientes pela manhã, em jejum, e após 3 semanas repita a análise ao sangue para verificar o efeito sobre a redução do ácido úrico.
Outro remédio caseiro para ácido úrico é o suco de limão com cenoura e agrião, que pode ser usado em alternativa ao primeiro apresentado.

Ingredientes

  • 1/2 xícara de folhas de agrião
  • 2 colheres de sopa de cenoura ralada
  • Suco de 1 limão
  • 1 xícara de mel

Modo de preparo

Numa tigela, amasse as folhas de agrião, misture com a cenoura, o suco de limão e o mel. Cubra com um pano e deixe descansar por 6 horas. Coe, espremendo bem, e tome 1 colher de sopa a cada 5 horas.

Dieta para ácido úrico

A dieta para o ácido úrico envolve também não ingerir alimentos que promovem maior produção de ácido úrico, como a carne vermelha, fígado, rins, chouriço, linguiça, salsicha, presunto, mortadela e frutos do mar, além das oleaginosas, como feijão, ervilha, lentilha, grão de bico ou soja, assim como açúcar refinado, bebidas alcoólicas, ovos e doces em geral.

Suco de melancia para ácido úrico


O suco de melancia é um ótimo remédio para combater o ácido úrico.

Ingredientes

  •  2 xícaras de melancia com sementes
  • 1 copo de água de coco

Modo de preparo

Adicionar os ingredientes no liquidificador, bater rapidamente e coar. O suco de melancia deve ser bebido logo depois de batido, de preferência 3 vezes ao dia, para garantir a eficácia contra o ácido úrico.
A melancia, incluindo as suas sementes, além de ajudar a eliminar mais rápido o ácido úrico do organismo, fazendo com que os rins funcionem melhor, contém uma substância chamada licopeno que previne doenças como o câncer. Para ter uma vida saudável, inclua a melancia na sua alimentação diária, pois é uma fruta deliciosa e com baixas calorias.

ÁCIDO ÚRICO E GOTA



Publicidade
A gota é uma doença caracterizada por ataques episódicos de artrite (inflamação das articulações) em pacientes que apresentam níveis sanguíneos elevados de ácido úrico. A gota é um condição extremamente dolorosa que, se não for tratada adequadamente, pode, a longo prazo, levar a deformidades articulares e doença dos rins.
Neste artigo, além de abordar as causas, os sintomas e os tratamentos da gota, vamos também dar dicas sobre dieta e como evitar alimentos ricos em ácido úrico.

O que é o ácido úrico? O que é a doença gota?

O ácido úrico é uma substância produzida no fígado, derivada do metabolismo da purina, um tipo de proteína presente nos alimento que ingerimos. Quanto mais purina ingerimos, mais ácido úrico é produzido pelo nosso organismo.
Durante a evolução das espécies, o ser humano perdeu a capacidade de produzir uma enzima chamada uricase, que transforma o ácido úrico em alantoína, uma substância muito mais solúvel no sangue. Como resultado, os humanos apresentam níveis de ácido úrico muito mais altos do que a maioria dos outros mamíferos. Os nossos níveis de ácido úrico sanguíneo só não atingem níveis tóxicos porque a maioria de nós consegue eliminar o excesso através dos rins. Nas mulheres em idade reprodutiva, os níveis costumam ser um pouco mais baixos devido a influência do estrogênio, que potencializa a eliminação do ácido úrico pelos rins.
Apesar do bom trabalho dos rins, ainda assim os nossos níveis sanguíneos habituais de ácido úrico estão muito próximos do limite de solubilidade, fazendo com que pequenos aumentos na sua concentração causem precipitação (cristalização) deste nos tecidos. O ácido úrico é mais solúvel em temperaturas acima de 37ºC, que é a temperatura do sangue. Todavia, nas nossas articulações a temperatura é mais baixa, chegando a 32ºC em algumas delas, o que favorece a deposição de cristais nestes locais (toque no seu joelho e compare a temperatura deste com as das coxas ou pernas). O ácido úrico se deposita nos tecidos na forma de urato de sódio.
Quando ocorre deposição de cristais de ácido úrico (urato de sódio) nas articulações, estes provocam uma intensa reação inflamatória levando a uma artrite (inflamação das articulações) muito dolorosa que recebe o nome de gota.
Resumindo: O ácido úrico mantém-se dissolvido no sangue até níveis próximos de 7,0 mg/dl. A partir deste valor, quanto mais elevada for sua concentração, maior é a chance de cristalização e deposição nos tecidos, principalmente nas articulações, que são as regiões de menor temperatura do corpo. Caso a concentração sanguínea de ácido úrico continue se elevando, a cristalização pode passar a ocorrer mesmo em tecidos mais quentes, como a pele. É importante destacar, porém, que são necessários alguns anos de ácido úrico elevado para se desenvolver a doença gota.

Sintomas do ácido úrico elevado

A elevação do ácido úrico sanguíneo, chamado de hiperuricemia, não causa sintomas. Na verdade, mais de 2/3 das pessoas com ácido úrico elevado nem sequer desconfiam do fato. O fato de causar sintomas não significa, entretanto, que níveis elevados de ácido úrico não possam levar a complicações. As duas mais comuns são as crises gota e as pedras de ácido úrico nos rins.
Algumas pessoas com histórico de gota referem descamação das mãos e pés quando os níveis de ácido úrico estão elevados. Na verdade, não existe nenhuma comprovação de tal relação. Descamação das mãos e pés é geralmente causada por ressecamento da pele e não por ácido úrico elevado.

Sintomas da gota

Gota - podagra
Gota – podagra
A manifestação clínica da gota é a artrite, ou seja, inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, vermelhidão, inchaço e calor local (Para saber mais sobre artrite, leia: ARTRITE e ARTROSE | Sintomas e diferenças).
A gota é classicamente uma monoartrite, ou seja, uma artrite que atinge apenas uma articulação em cada crise. As articulações mais acometidas são as dos pés, principalmente o primeiro dedo do pé (dedão do pé) e joelhos.
A artrite da gota é tão dolorosa que algumas pessoas não conseguem nem cobrir os pés, pois só o contato do cobertor com a área inflamada já causa uma fortíssima dor. Podem haver calafrios e febre, simulando um quadro infeccioso.
Reparem na foto acima de uma artrite gotosa do primeiro dedo, com edema e vermelhidão do mesmo.
Gota tofácea no cotovelo
Gota tofácea no cotovelo
O ataque de gota dura alguns dias e depois desaparece espontaneamente. O intervalo entre a primeira e segunda crises pode durar até dois anos. Se não tratada, as crises de gota começam a ficar mais frequentes e intensas, podendo acometer mais de uma articulação por vez.
Ao longo dos anos a gota não tratada leva a formação de tofos nas articulações, causados por deposição crônica de cristais de urato. Os tofos podem ser únicos ou múltiplos,  levando a deformidades como nas fotos ao lado. Essa fase da gota é chamada de gota tofácea.
O excesso de ácido úrico também pode levar à formação de cálculos renais de ácido úrico. Existe também o risco de deposição de urato e formação de tofos nos rins, causando insuficiência renal crônica (leia: CÁLCULO RENAL (PEDRAS nos RINS) eVOCÊ SABE O QUE É CREATININA?)
Como já explicado, a gota é causada por prolongados níveis elevados de ácido úrico sanguíneo. Porém, nem todo mundo que tem ácido úrico alto, desenvolve gota. Algumas pessoas mantém-se anos com níveis de ácido úrico maiores que 7 mg/dl e nunca apresentam artrite gotosa ou doença renal. O porquê disto, ninguém sabe.
A gota é muito mais comum em homens e ocorre entre 35 e 45 anos. Nas mulheres costuma ocorrer somente após a menopausa.
O diagnóstico da gota é feito quando há um quadro clínico típico associado a níveis elevados de ácido úrico. Quando há dúvida sobre a causa da artrite, o médico geralmente punciona o líquido da articulação inflamada, procurando pelos depósitos de cristais de urato.

Fatores de risco para gota

Dieta para ácido úrico e gota

Pacientes com gota ou com níveis elevados de ácido úrico devem ter uma dieta especial, evitando alimentos ricos em purinas.
Os alimentos ricos em purina (ácido úrico) são:
  • Carnes: bacon, porco, vitela, cabrito, carneiro, miúdos (fígado, coração, rim, língua).
  • Peixes e frutos do mar: salmão, sardinha, truta, bacalhau, ovas de peixe, caviar, marisco, ostra, camarão.
  • Aves: peru e ganso.
  • Bebidas alcoólicas.
Alimentos com moderada quantidade de purinas (ácido úrico):
  • Carnes: vaca, novilho e coelho.
  • Aves: frango e pato.
  • Frutos do mar: lagosta e caranguejo.
  • Leguminosas: feijão, grão-de-bico, ervilha, lentilha, aspargos, cogumelos, couve-flor, espinafre.
Alimentos com baixo ou nenhum teor de purina (ácido úrico):
  • Leite, chá, café, chocolate, queijo amarelo magro, ovo cozido, cereais como pão, macarrão, fubá, batata, arroz branco, milho, mandioca, sagu, vegetais (couve, repolho, alface, acelga e agrião), frutos secos, doces e frutas (mesmo as ácidas)

Tratamento da gota e do ácido úrico

O tratamento da gota se divide em duas fases: tratamento das crises e a profilaxia das crises. A gota não tem cura, mas pode ser muito bem controlada.
a. Tratamento da crise de gota
Durante a crise de gota o tratamento é feito com anti-inflamatórios comuns (AINE) (leia: AÇÃO E EFEITOS COLATERAIS DOS ANTI-INFLAMATÓRIOS ) e/ou colchicina.
A colchicina é menos tóxica do que os anti-inflamatórios (especialmente para os rins e estômago) e controla a gota eficazmente, mas pode causar efeitos colaterais desagradáveis, como náuseas, vômitos e diarreia. Esse efeito adverso é geralmente relacionado à dose usada, sendo menos comum em doses baixas.
Nos pacientes que não toleram AINE ou colchicina, uma opção é o uso de corticoides, potentes anti-inflamatórios de origem esteroidal (leia: PREDNISONA E CORTICOIDES | Indicações e efeitos colaterais).
A aspirina (ácido acetilsalicílico) deve ser evitada sempre que possível, pois a mesma, apesar de ter efeito anti-inflamatório, reduz a excreção de ácido úrico pelos rins (leia: ASPIRINA | AAS | Indicações e efeitos colaterais).
b. Prevenção da crise de gota
Uma vez cessada a crise de gota, o tratamento se volta para a diminuição dos níveis de ácido úrico. A droga mais usada para este objetivo é o alopurinol. É importante ressaltar que não se deve começar o alopurinol durante as crises, pois há risco de piora do quadro. O alopurinol durante as crises só é aceitável se o paciente já fazia uso crônico dele antes do início da crise.
Sugere-se manter a colchicina para evitar novas crises enquanto os níveis de ácido úrico ainda não tiverem sido reduzidos pelo alopurinol. Podem ser necessários alguns meses de tratamento até se atingir valores desejáveis.
Uma outra opção para baixar os níveis de ácido úrico é a probenecida, um medicamento que aumenta a sua eliminação pelos rins. A probenecida não deve ser usada em pacientes com histórico de cálculo renal por ácido úrico.
Desde 2008 existe uma novo mediamento chamado Febuxostat, que serve de alternativa para os pacientes que não podem tomar nem alopurinol nem probenecida. O Febuxostat ainda não está disponível no Brasil.
Ácido úrico elevado sem sintomas | hiperuricemia assintomática
Como a maioria dos pacientes com ácido úrico elevado não desenvolve crises de gota ou cálculo renal, o consenso atual indica não usar alopurinol nestes casos. Só se começa tratamento com remédios se houver um primeiro episódio de crise de gota, cálculo renal, ou se os níveis de ácido úrico estiverem acima de 13 mg/dl no homem e 10 mg/dl na mulher.
Nos pacientes com hiperuricemia assintomática indica-se apenas uma alteração da dieta, visando evitar alimentos ricos em purinas.

Ácido úrico (exame laboratorial)


O ácido úrico é um elemento do sangue  proveniente do metabolismo de substâncias chamadas  purinas. A maioria do ácido úrico do sangue (70%) origina-se do próprio organismo (fonte endógena), sendo a minoria (30%) fruto da ingestão alimentar (fonte exógena).
A hiperuricemia - níveis elevados de ácido úrico no sangue - pode levar ao aparecimento de gota (artrite aguda e dolorosa , causada pela deposição de cristais de ácido úrico nas articulações) e litíase renal (desenvolvimento de pedras nos rins).O valor normal do ácido úrico no sangue  costuma ser de 3,4 até 7,0md/dl  e de 3,0 até 6,0mg/dl,  em homens e mulheres, respectivamente. O exame exige cerca de 4 a 8 horas de jejum.
Os níveis de ácido úrico no sangue  podem estar elevados nas seguintes situações: pacientes com gota e seus parentes (25%), insuficiência renal (falência dos rins), situações que aumentam a formação de purinas (leucemia, quimioterapia, anemia hemolítica, psoríase , linfomas , etc.), dieta rica em proteínas e purinas, alcoolismo, diabete melito, hipertensão arterial (nesses pacientes a elevação do ácido úrico indica uma maior gravidade do quadro), obesidade, litíase renal (pedra nos rins) , jejum , dieta hipocalórica (processo de emagrecimento), desidratação, ação de drogas (álcool , diuréticos , ácido acetilsalicílico ou aspirina , ácido nicotínico , metildopa , etc.) entre outras causas. 
Os níveis de ácido úrico no sangue  podem estar diminuídos nas seguintes situações: doença celíca , insuficiência renal , dieta pobre em purinas , pós-operatório , ação de drogas (corticóides , alopurinol , estrogênios , warfarina , etc.), entre outras causas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário